top of page

Os Compostos nitrogenados: Amonia, Nitrito e Nitrato na Aquacultura

A gestão eficiente dos parâmetros de qualidade da água nos sistemas de aquacultura é crucial para o sucesso e a sustentabilidade desses ambientes. Entre os principais desafios, a amônia (NH₃/NH₄⁺), o nitrito (NO₂⁻) e o nitrato (NO₃⁻) emergem como protagonistas, demandando atenção meticulosa para garantir a saúde, o bem-estar e pleo desenvolvimento dos organismos aquáticos cultivados.




Amonia (NH₃/NH₄⁺) na Aquacultura: Faixas Letais e Estratégias de Controle

A amonia (NH₃/NH₄⁺), resultado da decomposição de resíduos orgânicos e excretas dos organismos aquáticos que nos peixes é realizada principalmente através das brânquias, é uma preocupação constante. Suas faixas letais variam conforme a espécie cultivada. Para peixes de água doce, concentrações superiores a 1 mg/litro podem ser perigosas, enquanto para espécies marinhas, valores acima de 0,1 mg/litro já são críticos.


A relação entre amônia e pH é um fator crucial.


"À medida que o pH aumenta, a amônia não ionizada (NH₃) torna-se mais prevalente, aumentando sua toxicidade."


Estratégias para evitar elevações incluem a adequada aeração, controle da taxa de alimentação, uso de substratos biológicos e a introdução de biorremediadores, como bactérias nitrificantes.


A forma tóxica da amônia, representada pela molécula não ionizada NH₃, é prejudicial para os organismos aquáticos devido à sua capacidade de penetrar nas membranas celulares por meio de processos de transporte ativo e passivo. O gradiente de concentração, juntamente com as propriedades físico-químicas da amônia não ionizada, desempenha um papel fundamental nos danos que essa substância pode causar às células dos peixes.

A diferença de concentração de amônia entre o meio ambiente aquático e o interior das células cria um gradiente que impulsiona a entrada da amônia nas células. Esse gradiente é influenciado pelo pH da água, uma vez que a proporção entre as formas ionizada (NH₄⁺) e não ionizada (NH₃) da amônia varia com o pH. Em condições de pH mais elevado, a forma não ionizada predomina, tornando-se mais propensa a penetrar nas membranas celulares.

O transporte da amônia através das membranas celulares pode ocorrer por meio de dois principais processos: transporte ativo e passivo.


O transporte ativo da amônia é um mecanismo metabólico complexo que envolve a conversão ativa da forma tóxica não ionizada (NH₃) em sua forma ionizada (NH₄⁺) dentro das células. Nem todas as espécies de peixes possuem a capacidade de realizar esse processo de forma eficiente, e isso pode variar de acordo com a adaptação evolutiva das espécies aos diferentes ambientes aquáticos em que habitam.


Tilápias são conhecidas por sua habilidade em realizar o transporte ativo de amônia, especialmente em ambientes de cultivo intensivo, o que aumenta sua resistência aos picos de amônia tóxica no sistema.


Medição da Amonia e Nitrito: Ferramentas e Importância

A medição regular de amônia e nitrito é uma prática fundamental na gestão de sistemas aquáticos. Kits de testes específicos para aquacultura oferecem precisão e facilidade de uso. A frequência das análises varia conforme o estágio de desenvolvimento dos organismos, sendo mais intensa durante fases críticas, como alevinagem e engorda.

A monitorização constante permite a detecção precoce de desequilíbrios químicos, possibilitando intervenções imediatas. A compreensão dos níveis desses compostos é essencial para ajustar estratégias de manejo, otimizando o desempenho do sistema.


Influência da Ração e Digestibilidade na Acumulação de Amonia e Nitrito

A escolha e formulação da ração desempenham um papel crucial na acumulação de amônia e nitrito. Rações de baixa digestibilidade podem resultar em resíduos não metabolizados, contribuindo para elevações nos níveis desses compostos.

A seleção cuidadosa da ração, levando em consideração fatores como taxa de digestibilidade, composição nutricional e tamanho das partículas, é vital. A alimentação balanceada não apenas promove o crescimento saudável dos organismos, mas também minimiza a carga orgânica, reduzindo potenciais problemas relacionados à amônia e nitrito.


Prevenção da Intoxicação por Nitrito: O Papel do Sal na Aquacultura

A intoxicação por nitrito é uma preocupação, pois o nitrito se liga a hemoglobina do sangue dos peixes convertendo-a na molécula metahemoglobina (molécula de coloração amarronzada) que não tem a capaciade de transportar oxigênio.


"Os dois sinais mais comuns da intoxicação de nitrito são os animais boquejando na superfício, devido a falta de oxigenação nas células, e as brânquias de coloração marrom."


Esses sintomas são agravados em sistemas com deficiência na aeração. A adição controlada de sal na água é uma estratégia preventiva eficaz. O íon cloreto presente no sal inibe a absorção de nitrito pelas brânquias dos peixes, impedindo potenciais danos e intoxicações. A prática preventiva com sal contribui para a saúde e o bem-estar dos organismos cultivados, reduzindo os riscos associados à presença excessiva de nitrito na água.


Os Biorremediadores: Uma ferramenta indispensável para a redução de amônia e nitrito

Biorremediadores como o AquaLimp, desempenham um papel crucial na redução dos níveis de amônia. Essas bactérias convertem amônia e nitrito em formas menos tóxicas, como nitrato. A introdução do AquaLimp nos sistemas aquáticos ajuda a estabilizar e otimizar o ciclo do nitrogênio.






"A aplicação do AquaLimp é uma estratégia eficaz para evitar picos de amônia. A inoculação periódica desses organismos beneficia a qualidade da água, promovendo um ambiente mais seguro e saudável para os organismos aquáticos."



Considerações Finais: Uma Abordagem Holística para a Saúde Aquática

Em síntese, a gestão eficiente de amônia, nitrito e nitrato na aquacultura requer uma abordagem holística. Desde a escolha criteriosa da ração, o correto dimensionamento dos sistemas e suas estruturas, além da atenção aos níves de biomassa crítica, até a aplicação estratégica de biorremediadores, cada aspecto desempenha um papel vital na manutenção de ambientes aquáticos equilibrados.


A medição regular desses compostos, associada a práticas preventivas e corretivas, é a chave para o sucesso da aquacultura. A compreensão profunda dos processos bioquímicos, das interações entre os parâmetros e das necessidades específicas das espécies cultivadas permite uma gestão sustentável e eficaz desses sistemas complexos.


Em última análise, a aquacultura bem-sucedida não é apenas sobre a produção de organismos aquáticos, mas também sobre a criação e manutenção de ecossistemas aquáticos saudáveis, onde a harmonia entre os componentes químicos e biológicos é preservada para o benefício de todos os envolvidos.

1 visualização0 comentário
bottom of page